Pular para o conteúdo
PUBLICIDADE

Caso Madeleine McCann: investigadores tem novo suspeito 13 anos depois

Em 2007, o mundo acompanhou as notícias relacionadas ao desaparecimento de Madeleine McCann, uma menina britânica de 3 anos que passava férias com os pais em Portugal. A família passava férias no Algarve, em um resort, e Madeleine foi levada do quarto da família enquanto os pais jantavam com amigos.

PUBLICIDADE

Por 13 anos, a família da menina não teve qualquer tipo de informação sobre o caso. Por muito tempo, trabalhou-se com a ideia de sequestro e foi alimentada a esperança de que a menina ainda pudesse estar viva. Se estivesse, hoje Madeleine teria 16 anos de idade. No entanto, os investigadores mudaram a direção das investigações.

Hans Christian Wolters, promotor alemão do estado de Braunschweig, revelou que a polícia agora trabalha com a hipótese de homicídio. Wolters confirmou que os investigadores possuem um novo suspeito sob custódia, um homem alemão de 43 anos que não teve a identidade divulgada. Segundo investigadores, o homem viveu no Algarve entre os anos de 1995 e 2007.

PUBLICIDADE

Contra este suspeito pesa um histórico de pedofilia e crimes sexuais, como assédio e estupro, além de outros crimes como roubo, furto e tráfico de drogas. O homem tem inclusive condenações na justiça por abuso sexual contra menores. A polícia foi capaz de localizar automóveis usados pelo suspeito e divulgou imagens.

As investigações do caso seguem em cooperação das policiais da Alemanha e Reino Unido. Os responsáveis pelo caso preferiram não divulgar detalhes sobre a identidade do suspeito para não prejudicar as investigações, mas confirmaram que o suspeito esta sob custódia da polícia por outro crime do qual também é acusado.

A justiça portuguesa também conduz uma investigação própria e a descoberta confirma uma suspeita revelada pelo investigador Gonçalo Amaral, que anos atrás falou sobre a suspeita da polícia acerca de um pedófilo alemão que teria falado sobre Madeleine em fóruns online, o homem foi retirado da lista de suspeitos em 2008.