Pular para o conteúdo
PUBLICIDADE

Em meio a coronavírus, Palácio da Alvorada vive infestação de ratos e precisará de desratização

  • Roberta R 

Uma nova, e inusitada, dor de cabeça promete ocupar a mente do presidente Jair Bolsonaro em meio a pandemia do novo coronavírus: uma proliferação de ratos no Palácio da Alvorada. Noticiado por IstoÉ, Folha de S. Paulo e Yahoo, a notícia de que a residência presidencial vem sendo invadida pelos roedores surpreendeu a internet.

PUBLICIDADE

Com as políticas de isolamento, o movimento externo do Palácio diminuiu consideravelmente e isso pode ter contribuído para que os roedores se sentissem mais encorajados a invadir o espaço. Foi noticiado que ratos já assustaram pessoas e tentaram subir no pé de jornalistas, enquanto se organizaram para coletiva do Presidente.

A região onde fica localizado o Palácio da Alvorada é comumente afetada pela presença de ratos mas a presença dos roedores na residência presidencial não era tão comum, pelo menos não ao ponto de ser visto, por isso, provavelmente a diminuição de circulação em decorrência das medidas de isolamento pode ser um motivo para o aparecimento intenso de ratos.

PUBLICIDADE

Em nota, a Secretaria-Geral confirmou a infestação e mencionou o período chuvoso como possível agente intensificador. A pasta ainda confirmou que desratizações são feitas trimestralmente, mas que podem ser intensificadas em momentos como esse. A última desratização foi feita ainda em janeiro, então já estaria mesmo na época de um novo processo.

O problema com pragas não é exclusivo do governo Bolsonaro, antes outros governantes já haviam enfrentado problemas semelhantes. Michel Temer viveu uma infestação de baratas no Palácio do Planalto, por exemplo. O problema foi tanto que jornalistas e repórteres chegaram a ser escalados por baratas. O problema chegou a oferecer risco a estrutura elétrica do prédio.

Dilma Rousseff, por sua vez, viveu o problema com baratas também, no Ministério das cidades que hoje é uma pasta dentro do Ministério do Desenvolvimento Regional. Na época, um despacho chamou a atenção para o problema que foi descrito como insalubre. Lula, em seu governo, viu um problema também no Palácio do Planalto quando uma dedetização externa acabou levando baratas e formigas para dentro do prédio.