Pular para o conteúdo
PUBLICIDADE

Governo anuncia que vai investigar caso de militares que receberam auxílio emergencial indevidamente

  • Roberta R 

O Ministério da Defesa anunciou que vai investigar um caso de possível fraude envolvendo militares. Isso porque, segundo nota do Ministério, militares que não possuem direito ao auxílio emergencial receberam o valor de R$600 reais. A investigação agora vai apurar se o recebimento se deu por alguma falha do sistema da Caixa, ou se esses militares de fato fizeram o pedido. O Ministério afirmou ainda que vai restituir os valores e abrir investigação administrativa para apurar o caso.

PUBLICIDADE

Mais de 17 milhões de pessoas ainda aguardam uma definição do sistema da Caixa para ter acesso ao dinheiro. O valor de R$600 é uma medida de emergência para garantir o mínimo de condições a pessoas que estão em vulnerabilidade durante as medidas de isolamento contra a pandemia de covid-19. As regras do benefício são claras e excluem a possibilidade de um militar receber o valor.

PUBLICIDADE

Sobre o caso, a Caixa informou que a análise é responsabilidade do governo e que os pagamentos são feitos após análise. O governo confirmou que foi constatado o pagamento do benefício a indivíduos ativos na folha de pagamento do Exercito. Esse é apenas um caso de possível fraude contra o benefício, ao redor do país surgem denúncias de pessoas que supostamente receberam o valor mesmo não se enquadrando nos requisitos estipulados pelo governo.

O governo ainda tenta se organizar para pagar o auxílio aos 17 milhões de brasileiros que seguem aguardando análise. Enquanto estes valores não são pagos, o governo não tem data prevista para iniciar o pagamento da segunda parcela do benefício. Os R$600 serão pagos em 3 parcelas que começaram ainda em abril, mas que ainda não tiveram a primeira parcela concluída.

O Senado aprovou a ampliação das categorias que poderiam receber o auxílio, mas o governo engou a possibilidade de ampliar a lista. Uma das decisões foi a inclusão de jovens mães desempregadas menores de 18 anos, que não são contempladas pelo benefício agora, mas o governo anunciou que não tem planos de ampliar a lista.