Pular para o conteúdo
PUBLICIDADE

Mudanças? Francesas desafiam autoridade da Igreja Católica ao se candidatarem para cargos proibidos para mulheres

O mundo moderno trouxe muitas mudanças em relação a outros tempos, mas nem sempre as tentativas são vistas com bons olhos por todos os envolvidos. Especialmente quando o caso envolve dogmas religiosos, a tendência é que se torne polêmica.

PUBLICIDADE

Um grupo de 7 mulheres francesas afirmam estar prontas para enfrentar toda essa polêmica em busca de renovação dos dogmas católicos. A campanha intitulada “Todas Apóstolas!” foi lançada no último dia 22 de julho e já divide opiniões.

O grupo oficializou a apresentação de candidatura a cargos historicamente ocupados por homens na instituição. Bispo, Padre, pregador laico, diácono, etc. São todas posições destinadas exclusivamente a homens cisgênero.

PUBLICIDADE

As mulheres que integram o grupo são todas diferentes entre si: mães, divorciadas, casadas, professoras, terapeutas, consultoras. A ação do grupo já causou a promoção do debate, mas as chances de conseguirem algum cargo são baixíssimas.

Uma das mulheres do grupo é trans e pretende ser nomeada diácono para representar uma abertura na Igreja à comunidade LGBT, geralmente excluída da comunhão nos espaços da Igreja Católica. A ideia do grupo é justamente renovar a instituição.

Se elas vão conseguir ou não seus objetivos, é difícil saber. No entanto, é nítido que esse tipo de atitude tem promovido mudanças na Igreja Católica ao longo dos anos. A própria direção do novo Papa é uma grande representação de como as mudanças estão sendo colocadas em prática.

Talvez ainda não seja possível transformar dogmas, mas as pessoas possuem olhares múltiplos sobre o assunto.