Pular para o conteúdo
PUBLICIDADE

No Brasil, 32,5 mil presidiários foram libertados por conta da pandemia causada pelo coronavírus

A pandemia causada pelo coronavírus afetou inúmeros países do globo terrestre. Diante de tal situação cada país decidiu tomar atitudes diferentes para tentar conter a pandemia.

PUBLICIDADE

No Brasil, cerca de 32,5 mil presos foram libertados durante a pandemia. Essa ação foi tomada pelas autoridades como medida de reduzir o contágio pelo coronavírus.

Falando em proporções percentuais, o número de presos libertados equivale a 4,8% da população carcerária do país.

PUBLICIDADE

A ação tomada pelas autoridades determina que tais presos fiquem sendo monitorados eletronicamente ou então em regime domiciliar.

Engana-se quem acredita que essa decisão aconteceu apenas no Brasil. Diversos países do mundo fizeram o mesmo. A estimativa é que cerca de 5% dos detentos do mundo tenham sido libertados devido ao agravamento da disseminação do coronavírus.

De acordo com informações publicadas pelo site ‘Extra’, os juízes foram incentivados pela Recomendação 62, de março, a revisar situação por situação de detentos que não tenham sido presos por terem cometidos homicídio, estupro e outros crimes violentos.

Também ficou determinado que para ganhar a ‘liberdade’, o detento não possa fazer parte de nenhum tipo de organização criminosa. Detentos que façam parte de organizações criminosas não são beneficiados.

Repercussão na web

A decisão acabou repercutindo nas redes sociais. Brasileiros do país inteiro comentaram a decisão. Muitos internautas se posicionaram de forma contrária a decisão que favoreceu os presidiários. Diversos internautas manifestaram de forma indignada com o que ocorreu.

Por outro lado, outros internautas apoiavam a decisão e defendiam que isso deveria realmente acontecer.

A realidade é que esse cenário acabou dividindo opiniões. Através de postagens nas redes sociais os internautas começavam um acirrado debate sobre esse assunto tão polêmico.