Pular para o conteúdo
PUBLICIDADE

Prefeito de São Paulo, Bruno Covas, é internado após sentir dores abdominais

  • Roberta R 

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, gerou alerta depois de ser hospitalizado por um quadro de desconforto abdominal. Os primeiros informes médicos apontam para um quadro de colite, ou seja, uma inflamação no cólon. Covas faz tratamento de câncer e sua internação gera preocupação.

PUBLICIDADE

Covas recebeu diagnóstico de câncer depois de uma passagem turbulenta pelo hospital ainda em outubro. O prefeito foi internado com uma inflamação na perna que evoluiu para um quadro de embolia pulmonar. Exames realizados para detalhar os quadros de coágulo revelaram a presença do câncer entre o esôfago e o estômago, na região chamada cardia, e com metástase para o fígado.

Bruno Covas então se submeteu a 8 sessões de quimioterapia, mas os resultados não foram positivos. Informes médicos revelaram que o prefeito continuava com câncer. O quadro exigiu que Covas continuasse se submetendo a tratamento de imunoterapia. Ainda assim, o prefeito não se afastou do cargo durante a pandemia de covid-19.

PUBLICIDADE

A maior preocupação é que o novo quadro de colite tenha alguma relação com câncer, mas nenhuma informação nesse sentido foi divulgada pelo hospital até o momento. Pelo contrário, segundo informações do Hospital Sírio Libanês, Bruno Covas estava muito bem em seu quadro clínico, mas sob observação aguardando o resultado dos exames.

Pelo Instagram, Covas procurou tranquilizar seguidores afirmando que procurou médicos devido a uma indisposição. Também pela rede social, o prefeito divulgou o boletim médico e afirmou estar bem. A divulgação de boletins médicos tem sido uma política adotada por Covas desde o começo de seus quadros clínicos, intensificada ao longo da Pandemia.

Covas é advogado pela Universidade de São Paulo, economista pela PUC-SP, e tem política na família. Neto de Mário Covas, ex-governador de São Paulo, Bruno já foi deputado estadual, deputado federal, vice-prefeito e secretário de meio ambiente em seus 16 anos de carreira política.