Pular para o conteúdo
PUBLICIDADE

Ricardo Nunes, fundador da Ricardo Eletro, é liberado depois de prestar depoimento; empresário prometeu ‘live’ para explicar o caso

Depois de ser preso no último dia 8, Ricardo Nunes, fundador da Ricardo Eletro, foi solto na tarde do dia seguinte. Ele foi ouvido em depoimento e liberado pela Justiça. O empresário afirmou que fará uma transmissão ao vivo para explicar o caso.

PUBLICIDADE

De acordo com seu empresário, Ricardo Nunes respondeu todas as perguntas feitas pelo Ministério Público e já “esclareceu tudo”. O empresário afirma que vai realizar a live para se explicar com o público, composto pela sociedade civil.

A investigação que alcançou o empresário tinha como alvo esclarecer o desvio de cerca de R$400 milhões que deveriam ter sido encaminhados ao estado como imposto. O caso envolve sonegação de impostos e lavagem de dinheiro.

PUBLICIDADE

Nunes, sua filha, o irmão e um diretor da Ricardo Eletro, eram os principais alvos. A polícia esclareceu que o aumento do patrimônio do empresário foi feito com base no uso desse dinheiro, que deveria ter sido entregue como imposto.A defesa afirma que o dinheiro da mãe de Ricardo Nunes, que chegou a ser apontada como laranja, é na verdade fruto de uma herança deixada pelo falecido marido. Ricardo também nega que tenha qualquer patrimônio mantido no exterior do país.

A investigação batizada de “Direto com o Dono” investiga a suspeita de sonegação de impostos. Todos os alvos foram liberados pela justiça depois de prestar depoimento. De acordo com a polícia, todos “colaboraram com as investigações”.

Ricardo Nunes já foi condenado pela Justiça, em 2011, por corrupção ativa. Na ocasião, ele foi condenado a prisão, mas recorreu na decisão e o caso ainda corre na Justiça. O empresário foi condenado por pagar propina a Receita Federal para livrar a empresa de uma autuação.

De acordo com a operação, a Ricardo Eletro cobra os impostos do consumidor final em seus produtos, mas não repassa o valor a Receita Federal. O suposto esquema já dura mais de uma década.