Pular para o conteúdo
PUBLICIDADE

‘’Sou médico, não juíz’’: Diz Drauzio Varella sobre o caso da transexual Suzy

No último domingo, uma reportagem do programa Fantástico gerou imensa repercussão, isso porque, a reportagem que foi apresentada pelo Doutor Dráuzio Varella, contava a história de algumas detentas transexuais que estão detidas em presídios masculinos, e de como era difícil a vida delas dentro daquele regime.

PUBLICIDADE

Uma das entrevistadas era Suzy, uma trans que há 8 anos não recebia sequer uma visita ou uma carta, o que comoveu o médico que a abraçou.

O que ninguém esperava é que o crime que Suzy havia cometido para ser detida foi investigado por algumas pessoas e posteriormente revelado, o que gerou revolta.

PUBLICIDADE

O crime brutal da trans foi criticado e o médico também foi criticado por ter abraçado a criminosa.

O médico, Drauzio Varella, há muitos anos trabalha em projetos de atendimento médico nas prisões. Com a repercussão do crime, o médico gravou um vídeo pedindo desculpas aos fãs e à família da vítima.

O crime aconteceu no ano de 2010, quando a transexual estuprou um garoto de 9 anos de idade, logo depois o estrangulou e deixou o corpo apodrecer em sua sala por dois dias. Não satisfeito, ainda deixou o corpo do menino na porta da casa da mãe do garoto. Um crime bárbaro, brutal, e inacreditável.

A vitimização de Suzy na tv gerou revolta, porque logo depois ela recebeu flores, cartas de crianças e adultos e presentes, como maquiagens e livros.

A mão do menino morto por Suzy disse estar indignada e triste com a matéria. Suzy teria dito que o motivo de nunca ter recebido visitas era por sua orientação sexual, mas não era verdade.

Em nota, o Doutor deixou claro que ‘’não perguntei nada a respeito dos delitos cometidos pelas entrevistadas. Sou médico, não juiz.”, e posteriormente gravou o vídeo se desculpando.